sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Criança grande

Se algo está incomodando sugiro que fale logo antes que seja tarde demais. As pessoas não adivinham sabe? Não temos bola de cristal!
Dialógo faz bem...deve ser por isso que converso comigo mesma hahaha. Falo comigo também através dessas páginas. Antes que digam que sou doidinha, o que não deixa de ser verdade haha, falo com outras pessoas também mas, é que nem sempre dá. Então, se não tem tu, vai tu mesmo sabe.
Agora, se tem algo em mim que está te incomodando, não vou adivinhar a menos que você me fale né? Imagino que meu jeito expansivo de ser possa incomodar e até estaranhar muita gente, ainda mais nos tempos de hoje, onde todo mundo te julga pelo jeito que você é, pelo jeito que você se veste, pelo jeito que você fala, o jeito que você pensa...enfim por tudo.
Vendo tanta coisa que me parece errada no mundo, a tentativa de ver a vida e as coisas de um jeito mais brando  parece, ás vezes, ser uma tarefa complicada. Mas não desisto não viu.
Pensamentos e sentimentos que não agradam aos ouvidos me parecem irritar a quem, na minha opinião, mais deveria ouvir, mas não suporta "meus barulhos".
Um ser pensante até que sou, mas não em pensamentos "padrão", "normal". Não entendo porque isso não tem lugar, soa tão estranho, tão...eu.
Sinto por diversas vezes que, querendo me expressar e acabar incomodando as pessoas, a voz que tenho está sendo calada contra minha vontade. Vontade de gritar mas não sai, choro também não vem, só a vontade, de raiva e de tristeza. Parece que a escala hierárquica quer me dominar trazendo o veto para a cena, a impressão que dá é que o discurso de "quem manda aqui" insiste em se apresentar a mim.
Quando digo que sou uma criança grande, apenas quis dizer que tento não trazer tanta seriedade para mim, sabendo que é necessária e tem hora certa para aparecer, pois, sabendo das limitações que me foram dadas e "tirando vantagem" das circunstâncias, tento, com todas as dificuldades que o mundo apresenta não só para mim mas para outras pessoas, ver e sentir as possibilidades que as coisas podem ter. Para mim pelo menos podem.
Gosto de ser extrovertida, alegre, quando assim me é permitido, de falar com todo mundo, ser bricalhona...enfim, procuro a leveza com que as crianças vêem o mundo. Sei que para uma mulher de seus 31 anos isso possa soar meio estranho mas não me importo, escolho sempre a leveza à frieza; a alegria ao mau humor; a palhaçada (na medida) à tudo a ferro e a fogo, a seriedade demais; Sei, é claro, que nem sempre dá para ser assim mas, para mim pelo menos, assim a vida vale muito mais a pena ser vivida.
Quem não gosta de mim assim...paciência.
Fico irritada pois a mim me parece que algumas pessoas devem acreditar que só funciono a base de gritos e ignorância.

Um comentário:

  1. É isso aí queridíssima Julia! Viver é - também - saber tirar proveito das próprias adversidades e limitações. Eu, de minha parte, sou seu fã inconteste. Mesmo diante de problemas, você sempre consegue manter seu astral alto, e isso é admirável. Estamos juntos nessa vida louca, extraordinária e paradoxal. Saber que você existe e luta contra quaisquer adversidades é um refrigério para o tio Quaresma. Estamos juntos! De verdade.

    ResponderExcluir